Arquivo da categoria: Pater

24 – O Capitão do Coração

Vou tomar deste veleiro
E navegar pelo
seu corpo inteiro
Nesta escuridão vou me guiar pelas estrelas
Que brilham no céu da tua boca. 

E na ansia mais louca
Vou aportar no porto dos teus braços
Ancorar o meu cansaço entre seus
Beijos, afagos e abraços.

Vou navegar por esse mar
Aberto de sentimentos
E assim me tornar
Capitão do seu Coração

Vou navegar por esse mar
E descobrir todos os seus segredos
E enfim me tornar
Capitão do seu Coração.

sp.10/09/1989-qua.
Para…
Giane Brandão
Anúncios

1 comentário

Arquivado em Pater

11 – Gigante

Eu lembro.

Do gigante que me fazia voar.
Do brinquedo aos pés da cama, acreditando que outro “papai” havia deixado aquele presente ali.
Do ar sisudo ao examinar minhas primeiras letras e do riso solto enquanto lia uma revista em quadrinhos.
Do belo rosto moreno e dos grandes olhos negros.
Do carinho de sua mão e da dor da palmada.
Do cantar uma cançãozinha boba só para a gente dançar junto.
Do almoço e do jantar, ele sentado na cabeceira da mesa.
Eu sempre lembrarei.

Faz muito tempo que o gigante fechou os olhos e voltou a abrí-los em outro patamar.
Lá, ele caminha observando crianças aladas, lembrando de outras que cá na Terra, continuam a andar.
Seus pequenos gigantes.

Te Amo, Pai.

Para o Sr. José (in aeterna memorian)
G.Brandão

1 comentário

Arquivado em Pater

4 – Abismo Negro

Coruja sob a Catedral

O Amor Imaginário
Tornou-se pesadelo diário
O negro do manto
Tornou-se negro desencanto

Não há poema
Não há fotografia
Não há esquema
Que faça voltar
A outrora harmonia

A face endurecida
O coração frio
Animal ferido, acuado
Afiados espinhos
Jamais derrotado

Abstrato pesado
Abismo infinito
Perdão sem espaço
Ser vazio
Caixão de aço

Solidão requerida
Vida que resvala
Independência defendida
Estupidez que avassala
Incompreensão que soterra…

Morte desejada
Anseia a treva
A treva
Mais nada.

Para …
G. Brandão

1 comentário

Arquivado em Pater

1- Felix

Pater
Ele não sabe.
Mas só o fato de ele existir
Me faz feliz.

Não importa
Se Anjo ou demônio, gentio ou padre
O fato de ele estar feliz
Me faz feliz.

Em cada imagem
Em cada pose
Em cada lápide
Em cada santo campo.

O fato de ele existir
De ele ser feliz
Me faz feliz.

Seja qual for seu Amor.
Seja qual companhia tiver
Importa é que ele seja
Como é.

Se cheio de mágoa e dor
Se cheio de ódio e dúvida
Cheio de teimosia e rancor
Cheio de solidão ou Amor.

O fato de ele existir.
Torna meu mundo
Muito mais feliz.

Para “Seo Padre”
G. Brandão

1 comentário

Arquivado em Pater